Ministério da Geologia e Minas
Governo

Novo projecto de fosfatos nasce na provincia do Zaire

O Projecto Integrado de Exploração e Transformação de Fosfatos de Lucunga (PIETFL) vai gerar 250 postos de trabalho directo para os angolanos e diversas estruturas sociais ligadas à educação e à saúde para a população do município do Tomboco, na província do Zaire.

O acto de lançamento da primeira pedra do empreendimento foi feito na passada sexta-feira, 9, em cerimónia presidida pelo ministro da Geologia e Minas, Francisco Queiroz, e contou com a presença do governador do Zaire, José Joanes André, do secretário de Estado para as Minas, Miguel Paulino, de directores nacionais do Ministério da Geologia e Minas, autoridades tradicionais, membros da sociedade local, e de representantes da empresa Vale Fértil.

“a partir deste projecto e de outros que se vão seguir, Angola vai ser auto-suficiente em fertilizantes e suficiente para exportar, constituindo-se em mais uma fonte de arrecadação de receitas para o Estado”, disse o ministro Francisco Queiroz, na ocasião.

já o governador Joanes André disse, por seu turno, que a província do Zaire, com as potencialidades que ostenta, vai continuar a ser uma mola impulsionadora do processo de desenvolvimento do país e os projectos existentes vão, certamente, melhorar as condições de vida das populações, ao gerarem novos postos de trabalho e novas infra-estruturas sociais.

A empresa Vale Fértil SA, segundo declarações do seu representante, António Mota, já tem identificadas as áreas que serão alvos das acções de impacto social.

O PIETFL tem como objectivo a exploração de jazigos de rochas fosfatadas e o seu tratamento na unidade de calcinação com recurso ao LNG, para venda no mercado externo.

Após mistura com ureia e cloreto de potássio (KCl) na unidade de granulação de outra parte do produto calcinado, será obtido o fertilizante NPK destinado a abastecer o mercado interno.

A área de concessão do projecto, ocupando uma superfície de 504 Km2, está localizada na aldeia do Lucunga e as unidades de transformação mineral (calcinação e granulação) serão implementadas no Pólo Industrial do Soyo, na óptica de implementação gradual do Pólo de Desenvolvimento Mineiro do Lucunga (PDML).

O método de exploração será a céu aberto e os avanços da extracção do minério serão executados em duas frentes: Frente Norte, com a extracção de 584 mil toneladas/ano de minério de alto teor (média de teores igual a 17,6% de P2O5); e Frente Sul, com a extracção de 2 milhões e 274 mil toneladas/ano de minério de baixo teor (média de teores igual a 7,66% de P2O5).